Nativos Digitais na sala de Aula

Os nativos digitais lidam com tecnologia desde muito cedo

Segundo o Wikipedia, um nativo digital é “aquele que nasceu e cresceu com as tecnologias digitais presentes em sua vivência. Tecnologias como videogames, Internet, telefone celular, MP3, iPod, etc.”. Existe aquela metáfora de que o nativo digital é o cara que já nasceu com o mouse na mão.

Ainda segundo o Wikipedia, um nativo digital pode ter nascido a partir da década de 1970, apesar de outros autores dizerem que deva ter nascido a partir de 1985. Eu nasci em 1983, e me considero um nativo digital (eu tenho praticamente todas as características inerentes ao mesmo).
É óbvio que praticamente todos meus alunos estão encaixados nessa definição… a faixa etária deles está entre 14 e 19 anos, e todos tem acesso a computador, internet e outros artefatos tecnológicos. E lecionar para essa galera tem algumas coisas bem interessantes.
Uma das características dos nativos digitais é não ler manual de nada. Por possuírem um espírito explorador, eles preferem “futucar” nas coisas para descobrir como funciona, ao invés de ler um manual de instruções. Isso é muito refletido em sala de aula: eles preferem que você dê um “brinquedo” para eles brincarem, do que dar uma aula expositiva e “chata”. É óbvio que em certas disciplinas isso pode ser difícil.

Essa semana tive uma experiência bem interessante sobre isso. Numa aula de C# (Uma linguagem de programação bastante utilizada no mercado), eu tinha me preparado para explicar o ambiente visual da ferramenta Visual Studio. Mostrei para eles como eles criavam uma janela e como criavam um botão na janela. Depois ia explicar como fazia para acrescentar alguma funcionalidade ao botão, mas quando me dei conta, estavam todos brincando com a ferramenta, adicionando vários componentes diferentes à janela, mudando cores, verdadeiramente “futucando” na aplicação. Eu preferi então não seguir em frente com o meu planejamento e deixei-os “experimentar” a ferramenta. Acabou sendo bem mais interessante fazer assim.
É claro que é mais difícil controlar uma aula dessa forma: cada aluno acaba mexendo numa parte diferente do programa/ferramenta/brinquedo, e começam a aparecer dúvidas diferentes em cada canto da sala. Não é incomum que no meio dessa experimentação alguém surja com alguma dúvida que o professor simplesmente não saiba sanar imediatamente. Mas o desafio é válido, pois o aprendizado fica mais natural e rico para os alunos.
Anúncios

Uma resposta para “Nativos Digitais na sala de Aula

  1. O método citado acima é totalmente válido. Ele segue a máxima da ciência – A NECESSIDADE É A MÃE DAS INVENÇÕES.

    Deixar os alunos fazer experiências próprias é um dos dogmas mais antigos da pedagogia. É assim que se prepara o cidadão para que o mesmo consiga agir, numa fração de segundo, com calma, raciocínio e discernimento, seja lá em que situação for. Isso é um aprendizado por toda a vida. Não tem preço. O ladrão não leva.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s